Mediation/Frequently questions
Quais são os procedimentos que a empresa de seguros e o mediador têm que ter nas transferências de carteiras por constituição de sociedade?

 

As carteiras de seguros são total ou parcialmente transmissíveis, por contrato escrito, devendo o transmissário estar autorizado para o exercício da atividade de distribuição quanto aos referidos contratos.

Nas situações de constituição de sociedade cujo seu registo origine a suspensão do registo do mediador transmitente (por vir a desempenhar funções de gerente / administrador responsável pela atividade de mediação ou de PDEADS do transmissário), deve o transmitente salvaguardar antecipadamente, nos termos seguintes, que a produção de efeitos da transmissão venha a coincidir com a data de inscrição do transmissário como mediador, sob pena de a carteira passar a direta concomitantemente à suspensão do mediador transmitente, nos termos do artigo 67.º do RJDSR.

A intenção de transmitir a carteira de seguros a favor de mediador de seguros ou de seguros a título acessório deve ser comunicada por escrito pelo transmitente à empresa de seguros, identificando o transmissário, a data de produção de efeitos pretendida para a transmissão e os contratos a transmitir (n.º 2 do artigo 53.º do RJDSR).

As empresas de seguros têm o direito de recusar a intervenção do transmissário nos respetivos contratos de seguro, devendo comunicar a recusa ao transmitente no prazo de 20 dias após a receção da comunicação da intenção de transmitir a carteira (n.º 3 do artigo 53.º do RJDSR).

Caso a empresa de seguros não recuse a intenção de transmissão de carteira, o transmitente deve comunicar, por escrito, aos tomadores de seguros a referida transmissão de carteira, informando-os quanto ao transmissário e do direito que lhes assiste de recusar a intervenção deste mediador de seguros ou de seguros a título acessório, bem como que mantêm o direito de escolher e nomear, nos termos legais, mediador de seguros ou de seguros a título acessório para os seus contratos (n.º 5 do artigo 53.º do RJDSR).

Os tomadores de seguros que tenham recebido a comunicação de intenção de transmissão da carteira têm o direito de recusar a intervenção do mediador de seguros ou de seguros a título acessório devendo, nesse caso, comunicar, por escrito, a recusa da intervenção do mediador de seguros ou de seguros a título acessório transmissário ao mediador de seguros ou de seguros a título acessório transmitente no prazo de 30 dias após a receção da comunicação referida no número anterior. (n.º 6 do artigo 53.º do RJDSR).

A empresa de seguros que, sem adequada fundamentação, recuse a intervenção do mediador transmissário nos termos anteriormente descritos fica sujeita ao ónus de propor ao mediador transmitente a aquisição da carteira de seguros em causa (n.º 4 do artigo 53.º, do RJDSR).


The ASF websites use cookies to improve performance and user experience. To learn more about cookies and how they are used on our websites, please go to our privacy policy You can choose to enable or disable cookies. However, some parts of our websites may not function properly if cookies are disabled.